Planos diretores municipais e planos de gestão das águas: uma análise comparada das cidades de Lisboa/PT e Porto Alegre/BR

Juliana Young, Francisco Manuel Sedoura

Resumo


A transformação do território está relacionada à ocupação do solo, o que reflete nos recursos hídricos. É necessário que os Planos Diretores Municipais (PDM) contemplem as diretrizes delineadas nos planos de água, levando à transformação sustentável do território e produzindo menos impacto nos rios. O objetivo deste trabalho foi analisar a interação entre os planos de água e solo. A inovação aqui apresentada foi o uso das Questões Significativas de Gestão da Água (QSiGA) como ferramenta para comparar os planos diretores das cidades de Lisboa, em Portugal, e de Porto Alegre, no Brasil, localizadas em diferentes realidades. Obteve-se o atendimento de 77,8% das QSiGA pelo PDM de Lisboa e 61,1% pelo de Porto Alegre. Ambas as cidades estão preocupadas com a qualidade e a quantidade de água, mas não observam plenamente as diretrizes nacionais. Acredita-se na relevância deste estudo para a materialização de um método de aferição dos PDM que possa ser usado por países com diferentes realidades. Conclui-se que, ao identificar que as diretrizes nacionais não foram totalmente cumpridas, são necessários estudos adicionais para se estabelecer uma metodologia que integre efetivamente planos de água com planos diretores.

Palavras-chave


água; gestão; Lisboa; Porto Alegre; território

Texto completo:

PDF

Referências


Afonso, M. C. N. (2016). Planeamento dos recursos hídricos e ordenamento do território em São Tomé e Príncipe - região autónoma do Príncipe. (Dissertação de Mestrado), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Agência Portuguesa do Ambiente - APA (2015). Plano Nacional da Água. 76p. Recuperado em 25 de abril de 2017, de https://www.apambiente.pt/_zdata/Politicas/Agua/PlaneamentoeGestao/PNA/2015/PNA2015.pdf

Agência Portuguesa do Ambiente – APA. (2016). Plano de gestão de região hidrográfica Tejo e Ribeira do Oeste (RH5) 2016-2021. Parte 1, Enquadramento e Aspectos Gerais. Portugal: APA. Recuperado em 13 de abril de 2017, de https://www.apambiente.pt/_zdata/Politicas/Agua/PlaneamentoeGestao/PGRH/2016-2021/PTRH5A/PGRH5A_Parte1.pdf

Alvim, A. T. B., Kato, V. R. C., & Rosin, J. R. G. (2015). A urgência das águas: Intervenções urbanas em áreas de mananciais. Cadernos Metrópole, 17 (33), 83-107. http://dx.doi.org/10.1590/2236-9996.2015-3304

Balarine, O. F. O. (1996). Determinação do impacto de fatores sócio-econômicos na formação do estoque habitacional em Porto Alegre. Porto Alegre: EDIPUCRS

Brasil. (1934). Decreto n.º 24.643, de. Decreta o código de águas. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Rio de Janeiro, RJ: Presidência da República. Recuperado em 12 de abril de 2017, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d24643.htm

Brasil. (1979). Lei n° 6766. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasilia, DF. Recuperado em 20 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6766.htm

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado. Recuperado em 12 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm

Brasil. (1997). Lei n° 9.433. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Recuperado em 12 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm

Brasil (2001). Lei n° 10.257. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Recuperado em 04 de maio de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm

Brasil. (2012). Lei n° 12.727. Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e altera outras leis. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Recuperado em 20 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12727.htm

Câmara Municipal de Lisboa. (2017). Sítio Eletrônico da Câmara Municipal de Lisboa. Recuperado em 20 de abril de 2017, de http://www.cm-lisboa.pt

Câmara Municipal de Lisboa. (2016). Lisboa %: A economia em números. Recuperado em 10 de maio de 2017, de https://issuu.com/camara_municipal_lisboa/docs/economia_lisboa_numeros_2016_pt_iss

Câmara Municipal de Lisboa. (2012). Retrato de Lisboa: Pordata/ Indicadores 2011. Fundação Francisco Manuel dos Santos. Recuperado em 10 de maio de 2017, de http://www.cm-lisboa.pt/investir/investimento/lisboa-em-numeros/retrato-de-lisboa

Carter, J. G. (2007). Spatial Planning, Water and the Water Framework Directive: Insights from Theory and Practice. The Geographical Journal, 173 (4), 330–342. https://doi.org/10.1111/j.1475-4959.2007.00257.x

Carvalho, L. M. A.C. (2009). A importância do rio na cidade – análise do risco de inundação no perímetro urbano da cidade de Leiria. (Dissertação de Mestrado), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Climate-Data.org. (2017). Dados climáticos para cidades mundiais. Recuperado em 04 de maio de 2017, de https://pt.climate-data.org

Cordeiro, A. C. S. (2014). Os recursos hídricos no planeamento territorial ao nível local. (Dissertação de Mestrado), Departamento de Ambiente e Ordenamento, Universidade de Aveiro, Portugal.

Costa, F. S., Nossa, P. N. M. S., Magalhães, S. C. M., & Magalhães, M. A. (2011). A legislação dos recursos hídricos em Portugal e no Brasil: Uma análise histórica comparativa. Recuperado em 12 de abril de 2017, de http://hdl.handle.net/1822/22593

Departamento Municipal de Água e Esgotos - DMAE. (2016). Relatório de dados gerais. Porto Alegre: DMAE. Recuperado em 19 de abril de 2017, de http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/dmae/usu_doc/relatorio_dados_gerais_2016.pdf

Departamento Municipal de Limpeza Urbana - DMLU. (2017). Site oficial DMLU. Recuperado em 19 de abril de 2017, de http://www2.portoalegre.rs.gov.br/dmlu/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2016). Cidades. Recuperado em 19 de abril de 2017, de http://cod.ibge.gov.br/2L5

Instituto Nacional de Estatística – INE. (2011). Censos 2011: Resultados definitivos Região Lisboa. Lisboa, Portugal: INE. Recuperado em 19 de abril de 2017, de http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpgid=censos2011_apresentacao&xpid=CENSOS

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (5.a ed .). São Paulo: Ed. Atlas.

Lisboa (2014) Aviso nº5804/2014. Torna pública a aprovação da alteração simplificada do Plano Diretor Municipal de Lisboa. In: Diario da Republica, - 2.ª serie, nº 88, de 08.05.2014, Pág. p.12064. Recuperado em 17 de abril de 2017, de: https://dre.tretas.org/dre/316914/aviso-5804-2014-de-8-de-maio

Mendes, M. (2010). Estruturas ecológicas municipais no quadro do ordenamento do território: Uma visão estratégica para o município de Cantanhede. (Dissertação de Mestrado) Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

Moreira, I., Saraiva, M. G., & Correia, F. N. (2004). Gestão ambiental dos sistemas fluviais: Aplicação à bacia hidrográfica do rio Sado. Portugal: ISAPress.

Peres, R. B., & Silva, R. S. (2010). A relação entre planos de bacia hidrográfica e planos diretores municipais: Análise de conflitos e interlocuções visando políticas públicas integradas. In: Anais do V Encontro Nacional da ANPPAS (1-20). Florianópolis: ANPPAS.

Pizella, D. G. (2015). A relação entre Planos Diretores Municipais e Planos de Bacias Hidrográficas na gestão hídrica. Rev. Ambiente & Água, 10 (3), 635-645. doi: 10.4136/ambi-agua.1394.

Porto Alegre. (1999). Lei Complementar n° 434. Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental - PDDUA. Recuperado em 25 de abril de 2017, de http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/spm/usu_doc/planodiretortexto.pdf

Porto Alegre. (2010). Lei Complementar n° 646. Altera e inclui dispositivos, figuras e anexos na Lei Complementar nº 434, de 1º de dezembro de 1999 (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental de Porto Alegre - PDDUA) e dá outras providências. Recuperado em 25 de abril de 2017, de http://www2.portoalegre.rs.gov.br/netahtml/sirel/atos/646%20rep-PDDUA

Porto Alegre. (2015). Plano Municipal de Saneamento Básico. Diagnóstico. Volume 1. Recuperado em 04 de maio de 2017, de http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/dmae/usu_doc/01_pmsb_diagnostico_web.pdf

Portugal. (1976). Constituição da República Portuguesa. Sétima Revisão Constitucional. Recuperado em 17 de abril de 2017, de https://www.parlamento.pt/ArquivoDocumentacao/Documents/CRPVIIrevisao.pdf

Portugal. (1998). Lei n.° 48. Estabelece as bases da política de ordenamento do território e de urbanismo. Diário da República, n.º184, Série I-A. Recuperado em 14 de abril de 2017, de http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=1198&tabela=leis

Portugal. (1999). Decreto Lei nº 380. Estabelece o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial. Diário da República, n. 222, Série I-A. Recuperado em 04 de maio de 2017, de http://data.dre.pt/eli/dec-lei/380/1999/09/22/p/dre/pt/html

Portugal. (2002). Decreto Lei n.° 112. Aprova o Plano Nacional da Água. Diário da República, I Série-A, n° 90. Recuperado em 09 de maio de 2017, de https://dre.pt/application/file/291736

Portugal.(2005) Lei nº 58/2005. Aprova a Lei da Água, transpondo para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2000/60/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Outubro, e estabelecendo as bases e o quadro institucional para a gestão sustentável das águas. Recuperado em: 17 de abril de 2017, de http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_estrutura.php?tabela=leis&artigo_id=&nid=1191&nversao=&tabela=leis&so_miolo=

Portugal. (2012). Aviso n.º 11622/2012. Aprova a Revisão do Plano Diretor Municipal de Lisboa, incluindo o Regulamento, a Planta de Ordenamento e a Planta de Condicionantes. Diário da República, 2.ª série, n.º 168. Recuperado em 18 de abril de 2017, de https://dre.pt/application/conteudo/1787349

Portugal. (2014). Lei n.º 31. Lei de bases gerais da política pública de solos, de ordenamento do território e de urbanismo. Diário da República, 1.ª série, n.º 104. Recuperado em 14 de abril de 2017, de https://dre.pt/application/conteudo/25345938

Portugal. (2016). Decreto-Lei n.º 76. Aprova o Plano Nacional da Água. Portugal: Diário da República, 1ª série, nº 215. Recuperado em 13 de abril de 2017, de https://dre.pt/application/conteudo/75701996

Saraiva, M. G. A. N. (1995). Gestão de Corredores Fluviais: O Rio como Paisagem no Quadro do Ordenamento do Território. (Tese de Doutorado), Instituto de Agronomia, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Saraiva, M. G. A. N (1999). O rio como paisagem: Gestão de corredores fluviais no quadro do ordenamento do território. (1.º ed.). Portugal: Edição Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e Tecnologia, Ministério da Ciência e Tecnologia.

Teiga, P. M. (2011). Avaliação e mitigação de impactes em reabilitação de rios e ribeiras em zonas edificadas: uma abordagem participativa. (Tese de Doutorado), Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, Portugal.

União Europeia (2000). Directiva Quadro da Água 2000/60/CE. Estabelece um quadro de ação comunitária no domínio da política da água. Recuperado em 18 de abril de 2017, de https://www.apambiente.pt/dqa/assets/01-2000_60_ce---directiva-quadro-da-%C3%A1gua.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.