Efeitos da gestão de mobilidade urbana para os Jogos Olímpicos sobre a qualidade do ar na região central da cidade do Rio de Janeiro

Ingrid Amaral Gomes, Nicole Jannarella de Carvalho, Rafael Ramos da Silva, Graciela Arbilla, Cleyton Martins da Silva

Resumo


Neste estudo, foram analisados os possíveis efeitos das obras de mobilidade urbana, realizadas no bairro Centro da cidade do Rio de Janeiro, sobre a qualidade do ar. Foram tratados estatisticamente os dados de concentração obtidos na Estação de Monitoramento do Largo da Carioca para os poluentes PM10, CO, O3 e SO2, assim como os parâmetros meteorológicos, para os meses de julho e agosto de 2015 e 2016, respectivamente, ano que precedeu e ano em que foram realizados os Jogos Olímpicos Rio 2016. Os resultados obtidos mostram que, embora as concentrações dos poluentes monitorados não tenham, em geral, ultrapassado os padrões nacionais de qualidade do ar, os níveis de PM10 e de ozônio são preocupantes, especialmente considerando as orientações da Organização Mundial da Saúde. Os níveis maiores de ozônio em agosto de 2016 podem ser consequência do aumento da radiação solar ou ainda dos processos químicos envolvidos na sua formação e das concentrações de seus precursores, os compostos orgânicos voláteis e os óxidos de nitrogênio (NOx). Para entender e explicar tais resultados, é indispensável dispor de dados de monitoramento contínuo de NOx e hidrocarbonetos não metânicos totais. No entanto, existe uma grave deficiência da Estação do Largo da Carioca quanto à aquisição desses dados. Apesar do esforço do corpo técnico da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da cidade do Rio de Janeiro, o investimento do município no controle da qualidade do ar é ainda insuficiente, especialmente considerando que o NO2 é um composto legislado, colocando em risco a saúde e o bem-estar da população.


Palavras-chave


mobilidade urbana, qualidade do ar, monitoramento, Rio 2016, Jogos Olímpicos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.