A influência de diferentes arranjos construtivos no comportamento da ventilação natural

Raffaela Germano de Lima, Leonardo Salazar Bittencourt

Resumo


Regiões de clima quente úmido, como a cidade de Maceió, situada no nordeste brasileiro, são caracterizadas climaticamente por apresentarem pequenas flutuações diárias de temperatura do ar e alta umidade. Para a obtenção de um melhor desempenho térmico, as construções devem evitar ganhos de calor pela radiação solar e dissipar o calor produzido internamente, assim como o absorvido pelo seu envelope, e a ventilação natural exerce função fundamental para essa dissipação. Este trabalho analisou a ventilação natural no meio urbano em diferentes arranjos construtivos considerando um recorte da cidade de Maceió. Utilizaram-se simulações com o programa Envi-Met 4.0, em uma quadra típica exposta às condições climáticas. Foram simulados oito modelos, variando os parâmetros gabarito, recuos progressivos e forma dos edifícios. Resultados indicam no modelo Compacto 4 e Linear 4 reduções da esteira de vento e melhor distribuição da ventilação natural, influenciada pela combinação entre elevado gabarito e recuos do edifício. Fato que vem sendo desconsiderado na legislação urbanística da maioria das cidades brasileiras.


Palavras-chave


Ventilação natural. Arranjos construtivos. Gabarito. Recuos progressivos. Forma dos edifícios.

Texto completo:

PDF

Referências


Bittencourt, L. S. (2015). Considerações preliminares sobre

o projeto do edifício ambiental. In Gonçalves, J. C. S. & K.

Bode (Eds.), Edifício Ambiental (p. 36-46). São Paulo: Oficina

de Textos.

Bittencourt, L. S., & Candido, C. M. (2005). Introdução à ventilação

natural. (2 ed.). Maceió: Edufal.

Bruse, M. (2015). Envi-met 4.0 Updated Model Overview.

Recuperado em 10 de novembro de 2015, de http://www.

envi-met.com/#section/intro

Freitas, R. (2005). Entre mitos e limites: As possibilidades

do adensamento construtivo face à qualidade de vida no

ambiente urbano (Tese de Doutorado). Departamento de

arquitetura e urbanismo, Programa de pós-graduação em

Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul,

Porto Alegre.

Gandemer, J. (1978). Discomfort due to wind near buildings

aerodynamic concepts. Washington: U.S. Govt. Print. Of.

Givoni, B. (1998). Climate Considerations in building and urban

design. Canada: Copyright by John Wiley & Sons.

INSTITUTO NACIONAL DE METEROLOGIA (INMET).

Normais climatológicas do Brasil - 1961-1990. Recuperado

em 27 de fevereiro de 2016, de http://www.inmet.gov.br/

portal/index.php?r=clima/normaisclimatologicas

Koenigsberger, O.H.; Ingersoll, T.G.; Mayhew, A.; Szokolay,

S.V. (1977). Viviendas y edificios en zonas calidas y tropicales.

Madri: Paraninfo.

Maceió (2007, 08 de fevereiro). Lei Municipal n. 5.593, de 08

de fevereiro de 2007. Código de Urbanismo e Edificações de

Maceió, Diretoria do Plano Diretor. Maceió.

Mascaró, L. (1991). Energia na edificação: Estratégias para

minimizar seu consumo. (2 ed.) São Paulo: Projeto Editores

Associados Ltda.

Ng, E., Yuan, C., Chen, L., Ren, C., & Fung, J. C. H. (2011).

Improving the wind environment in high-density cities by

understanding urban morphology and surface roughness: A

study in Hong Kong. Elsevier. Landscape and Urban Planning,

, 59-74, doi: 10.1016/j.landurbplan.2011.01.004

Oke, R. (1987). Boundary layer climates. (2 ed.). New York:

Routledge.

Sacre, C. (1983). Le confort dans les espaces extérieurs: analyse

microclimatique. Nantes. Bâtiment: Centre Scientifique et

Technique du Bâtiment, division climatologie.

Sousa, J, Lamenha, M., Freitas, R., & Bittencourt, L. (2014).

Efeito da altura e porosidade de edifícios na Ventilação urbana.

In Anais do XV Encontro Nacional de Tecnologia do

Ambiente Construído - ENTAC, Maceió, AL.

Sousa, J. P. M. (2014). Influência da forma urbana na ventilação

natural: Um estudo de caso no Cais José Estelita, Recife

(Dissertação de Mestrado). Departamento de arquitetura e

urbanismo, Programa de pós-graduação em desenvolvimento

urbano, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Universidade de Wyoming. (2015). Departament of

Atmospheric Science. College of Engineering. Recuperado

em 27 de fevereiro de 2016, de http://weather.uwyo.edu/

upperair/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.