Avaliação da influência do contexto urbano na radiação solar para geração de energia

Evelise Leite Didoné, Andreas Wagner, Fernando Oscar Ruttkay Pereira

Resumo


Este trabalho desenvolveu uma metodologia para avaliar a influência do contexto urbano na radiação solar para geração de energia com uso de módulos fotovoltaicos na envoltória de edifícios verticais. A metodologia foi baseada em simulações computacionais pelos programas Diva-for-Rhino e EnergyPlus. Duas cidades brasileiras com diferentes tipos de clima foram selecionadas para o estudo: Florianópolis e Fortaleza. Foram definidos diferentes contextos urbanos considerando edifícios com alturas iguais (Elevação Uniforme) e alturas variadas (Elevação Aleatória). Através da análise de radiação solar na superfície para aplicação dos módulos fotovoltaicos analisou-se a influência do sombreamento do entorno na geração de energia de diferentes tipos de edifícios de escritório. Na sequência, foram desenvolvidas estratégias para a aplicação dos módulos fotovoltaicos na envoltória através da análise detalhada da radiação solar disponível. Os resultados mostraram que o contexto uniforme é uma boa opção para edifícios com até 6 pavimentos, onde a área com maior potencial para geração de energia foi a coberta. Os contextos aleatórios apresentaram-se como melhor opção para aplicação de módulos fotovoltaicos nas fachadas dos edifícios mais altos.


Palavras-chave


Contexto urbano. Radiação solar. Geração de energia. Edifício vertical. Simulação computacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Abdala, V. (2012). Inflação oficial - Comunica, Agência

Brasil. Empresa Brasil de comunicação. Recuperado

em 04 de abril de 2014, de http://memoria.

ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-01-10/

inflacao- oficial-fecha-ano-de-2012-em-584-diz-ibge.

Amado, M, Poggi, F., Miguel A., & Francesca P. (2012).

Towards Solar Urban Planning: A New Step for Better Energy

Performance. Energy Procedia, 30, 1261–1273. doi: http://dx.

doi:10.1016/j.egypro.2012.11.139.

América do Sol. (2004). Custos. Recuperado em 07 de julho de

, de www.americadosol.org/custos.

Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. (2014). Soma de

tarifa média de fornecimento - Classe de consumo. Recuperado

em 07 de novembro de 2014, de www.aneel.gov.br.

Carlo, J. C. (2008). Desenvolvimento de Metodologia

de Avaliação da Eficiência Energética da Envoltória de

Edificações Não Residenciais (Doutorado em Engenharia

Civil). Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa

Catarina - UFSC. Florianópolis.

Cheng, V., Steemers, K., Montavon, M., & Compagnon, R.

(2006). Urban Form, Density and Solar Potential. Pleaa

- The 23rd Conference on Passive and Low Energy

Architecture. Geneva, 6-8.

Colsmann, A., Puetz, A., Bauer, A., Hanisch, J., Ahlswede, E.,

& Lemmer, U. (2011). Efficient Semi-Transparent Organic

Solar Cells with Good Transparency Color Perception and

Rendering Properties. Advanced Energy Materials, 599-603.

doi: http://dx.doi.10.1002/aenm.201000089.

Crawley, D. (2001). EnergyPlus: creating a new-generation

building energy simulation program. Energy and

Buildings, 33(4), 319-331. doi: http://dx.doi.org/10.1016/

S0378-7788(00)00114-6.

Energyplus. (2012). Input Output Reference. Recuperado

em 20 de janeiro de 2012, de: www.energyplus.gov

EnergyPlus. (2014). Energy Simulation Software. U.S.

Department of Energy. Recuperado em 08 de abril de 2014,

de http://apps1.eere.energy.gov

Grupo de Estudos Térmicos e Energéticos – GESTE e

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica –

PROMEC (2013). RADIASOL 2. Laboratório de Energia Solar.

Hay, F. J. (2013). Economics of Solar Photovoltaic Systems.

NebGuide. University of Nebraska. Lincoln Extension.

Recuperado em 07 de novembro de 2016, de http://extensionpublications.

unl.edu/assets/pdf/g2182.pdf

Jakubiec, J. A., & Reinhart, C. (2011). DIVA 2.0: Integrating

Daylight And Thermal Simulations Using Rhinoceros 3D,

DaySim And EnergyPlus. In 12th International IBPSA

Conference, Building Simulation 2011 (p. 2202-2209).

Sydney: IBPSA. Recuperado em 07 de novembro de 2016, de

http://www.ibpsa.org/proceedings/bs2011/p_1701.pdf

Jakubiec, J. A., & Reinhart, C. (2012). Towards validated urban

photovoltaic potential and solar radiation maps based

on lidar measurements, gis data, and hourly daysim simulations.

In SimBuild 2012 - Fifth National Conference of IBPSAUSA.

Madison, Wisconsin.

Kanters, J., & Horvat, M. (2012). Solar Energy as a Design

Parameter in Urban Planning. Energy Procedia, 30, 1143–

doi: http://dx.doi.10.1016/j.egypro.2012.11.127

Littlefair, P. (1998). Passive solar urban design: ensuring

the penetration of solar energy into the city. Renewable

and Sustainable Energy Reviews, 2(3), 303-326. http://

dx.doi.10.1016/s1364-0321(97)00009-9.

Marins, K. C. C., & Roméro, M. A. (2012). Integração de condicionantes

de morfologia urbana no desenvolvimento de metodologia

para planejamento energético urbano. Ambiente

Construído, 117-137. doi: http://dx.doi.org/10.1590/

S1678-86212012000400009.

Melo, A. P. (2012). Desenvolvimento de um método para estimar

o consumo de energia de edificações comerciais através

da aplicação de redes neurais (Doutorado em Engenharia

Civil). Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa

Catarina, UFSC, Florianópolis.

Ministério do Meio Ambiente – MMA. (2014). Energia Solar.

Recuperado em 03 de março de 2014, de www.mma.gov.br/

clima/energia/energias-renovaveis/energia-solar

Ministério das Minas e Energia – MME. (2012). Balanço

Energético Nacional. 2011-12. Recuperado em dezembro

de 2011, de http://www.mme.gov.br/mme

Montenegro, A. (2013). Avaliação do retorno do investimento

em sistemas fotovoltaicos integrados a residências unifamiliares

urbanas no Brasil (Mestrado em Engenharia Civil).

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, 2013.

Oke, T. R. (1988). Street design and urban canopy layer climate.

Energy and Buildings, 11(1-3), 103–113. http://dx.

doi.org/10.1016/0378-7788(88)90026-6.

Portal Energia. (2014). Energias Renováveis. Preço dos painéis

solares fotovoltaicos cairá 60% até 2020. Recuperado

em 04 de abril de 2014, de www.portalenergia.com/

preco-dos-paineis-solares-fotovoltaicos-caira-60-ate-2020.

Prefeitura de Florianópolis (1998). Instituto de

Planejamento Urbano de Florianópolis – IPUF. Plano Diretor

de Florianópolis. Florianópolis.

Prefeitura de Fortaleza. (2009). Plano Diretor de

Desenvolvimento Urbano de Fortaleza. Fortaleza.

Ratti, C., Raydan, D., & Steemers, K. (2003). Building form

and environmental performance: archetypes, analysis and

an arid climate. Energy and Buildings, 35(1), 49-59. doi:

http://dx.doi.org/10.1016/S0378-7788(02)00079-8.

Rütter, R. (2004). Edifícios solares fotovoltaicos. Florianópolis:

Labsolar.

Rendón, L. G. (2013). Potencial de Aplicação de Painéis

Fotovoltaicos em Fachadas de Edificações em Diferentes

Contextos Urbanos (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo).

Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis.

Santana, M. V. (2006). Influência de parâmetros construtivos

no consumo de energia de edifícios de escritório localizados em

Florianópolis (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade

Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis.

Scheuring, J. (2006). Wirtschaftsinformatik: Konzeption und

Planung eines Informations - und Kommunikationssystems:

Grundlagen mit zahlreichen Illustrationen, Beispielen,

Repetitionsfragen und Antworten. Compendio

Bildungsmedien AG, ISBN 3715592729.

Stromann-Andersen, J., & Sattrup, P. A. (2011). The urban

canyon and building energy use: Urban density versus

daylight and passive solar gains. Energy and Buildings,

(8), 2011–2020. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.

enbuild.2011.04.007.

Terece, A., Kestem, D., & Eicker, U. (2010). The impact of the

urban form on heating, cooling and lighting demand of cities.

ICSU Proceedings of the 1st International Conference

on Sustainable Urbanisation. Hong Kong, 15-17.

The United States Department of Energy – DOE. (2012).

EnergyPlus Energy Simulation Software - Weather Data.

Recuperado em 04 de abril de 2014, de http://apps1.eere.

energy.gov/buildings/energyplus/weatherdata_about.cfm

Vanesch, M. M. E., Looman, R. H. J., & De Bruin-Hoedijk, G.

J. (2012). The effects of urban and building design parameters

on solar access to the urban canyon and the potential

for direct passive solar heating strategies. Energy and

Buildings, 47(1), 189-200. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.

enbuild.2011.11.042.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.