A participação do usuário na arquitetura e em intervenção urbana

Flávia Marcarine Arruda

Resumo


Este artigo se concentra em discutir a especificidade e as consequências decorrentes da adoção de processos
participativos na arquitetura e em intervenção urbana, os quais são entendidos aqui como as propostas que
têm como ponto inicial a partilha das atividades da produção em arquitetura com o usuário. Busca-se saber
se tais processos promovem, de fato, a produção de um espaço menos determinista em relação ao seu uso,
a emancipação dos sujeitos e o estímulo ao sentimento de pertencimento. Com essa intenção, analisam-se,
especificamente, as experiências das intervenções urbanas “O lixo não existe”, propostas pelo coletivo Basurama
e realizadas em São Paulo no período de 2012-2014. Essa análise é fundamentada nas entrevistas feitas com
um dos membros do coletivo e de uma participante. Para tanto, procede-se a um cruzamento entre a concepção
de emancipação/dissenso de Jacques Rancière e da ética do bem-dizer da psicanálise de Jacques Lacan.


Palavras-chave


Participação. Basurama. Intervenção urbana. Emancipação. Ética da psicanálise.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.