Os Mobilizadores Precários: base social e luta pela moradia popular nas cidades de Recife e Jaboatão dos Guararapes, PE

Cleiton Ferreira da Silva

Resumo


Este artigo discute as transformações político-econômicas provocadas pela reestruturação do capitalismo e sua repercussão nos espaços urbanos, essencialmente as cidades que são comumente transformadas em locais indutores do desenvolvimento estratégico, do empresarialismo urbano e de extração do sobrelucro, desencadeando as contradições sociais e a luta de classes, especialmente para uma população precarizada e desprovida dos elementos essenciais, a quem o viver dignamente é negado. Essa população denominamos neste estudo de Mobilizadores Precários. Para isso, analisamos a atuação de um movimento sem-teto nas cidades de Recife e Jaboatão dos Guararapes, ou seja, a conjuntura de sua base social (política, econômica e social) e a repercussão política desses sujeitos coletivos na conquista de moradias e no enfrentamento de um modelo excludente. Utilizamos para isso o acompanhamento empírico dos núcleos de ocupação nas cidades supracitadas e a aplicação dos questionários entre as famílias atendidas pelo movimento em questão, retratando os mecanismos de luta e a caracterização das famílias.


Palavras-chave


luta de classes, espaço urbano, mobilização, moradia popular.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, G. (2007). Dimensões da reestruturação produtiva:

ensaios de sociologia do trabalho (2a ed., Vol. 1). Londrina:

Praxis.

Araújo, T. B. (2013). O Nordeste ainda resiste. João Pessoa:

Reviste Nordeste. Recuperado em 20 dezembro de 2016,

de http: //http://www.revistanordeste.com.br/coluna/

taniabacelar/

Bauman, Z. (1999). Globalização: as conseqüências humanas.

Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Caixa Econômica Federal – CEF. (2016). Programa Minha

Casa Minha Vida. Brasília: CAIXA. Recuperado em 8 outubro

de 2016, de http://www.caixa.gov.br/poder-publico/

programas-uniao/habitacao/minha-casa-minha-vida/

Paginas/default.aspx

Canettieri, T., & Valle, W. A. (2015). Dos excluídos da cidade

à revolução urbana definições de um novo sujeito político.

e-metropolis, 6(23), 35-43.

Fundação João Pinheiro – FJP. (2011). Déficit habitacional

no Brasil 2008. Belo Horizonte: Convênio PNUD/Ministério

das Cidades.

Fundação João Pinheiro – FJP. Centro de Estatística e

Informações. (2013). Déficit habitacional municipal no

Brasil. Belo Horizonte: FJP. Recuperado em 10 janeiro

de 2017, de http://www.fjp.mg.gov.br/index.php/

produtos-e-servicos1/2742-deficit-habitacional-no-brasil-3/

Google Earth. (2016). Recuperado em 16 de março de

, de https://www.google.com.br/intl/pt-BR/earth/

Goulart, D. C. (2011). O anticapitalismo do Movimento

dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) (Tese de doutorado).

Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e

Ciências, Marília.

Gurvitch, G. (1981). As classes sociais. São Paulo: Global.

Haddad, S., & Graciano, M. (2004). Educação: direito

universal ou mercado em expansão. São Paulo em Perspectiva, 18(3), 67-77. http://dx.doi.org/10.1590/

S0102-88392004000300008.

Harvey, D. (2005). O novo imperialismo (2a ed.). São Paulo:

Edições Loyola.

Harvey, D. (2007). Condição pós-moderna (16a ed.). São

Paulo: Edições Loyola.

Harvey, D. (2013, 30 de maio). La ciudad es el lugar de La

lucha anticapitalista. Buenos Aires: Revista de Cultura

do Clarin. Entrevista concedida à Alejandra R. Ballester à

coluna ideas. Recuperado em 5 de dezembro de 2016, de

http: //www.revistaenie.clarin.com/ideas/David_Harveyciudad-

lugar-lucha-anticapitalista_0_925707445.html/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

(2010a). Censo demográfico ano 2010. Brasília: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

(2010b). Malha municipal digital. Brasília: IBGE.

Recuperado em 16 de março de 2016, de http://geoftp.

ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/

malhas_municipais/municipio_2010//

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

(2016). Cidades: Informações sobre os municípios brasileiros.

Brasília: IBGE. Recuperado em 5 de dezembro de 2016,

de http: //http://cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php/

Lefebvre, H. (1991). A vida cotidiana do mundo moderno.

São Paulo: Ática.

Lefebvre, H. (2001). O direito à cidade. São Paulo: Centauro.

Machado, E. (2009). Movimentos populares na América

Latina: paradoxos das lutas anti-sistêmicas? Lutas

Sociais, 2(23), 32-42. Recuperado em 20 de junho de

, de http://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/

viewFile/18929/14093

Maricato, E. (2015). Para entender a crise urbana (1a ed).

São Paulo: Expressão Popular.

Mészáros, I. (2002). Para além do capital: rumo a uma

teoria da transição. São Paulo: Boitempo.

Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas – MLB.

(2016). Essa luta é pra valer!. Recuperado em 15 de janeiro

de 2016, de www.mlbbrasil.org/our_team

Recife. Prefeitura Municipal. (2005). Atlas de Desenvolvimento

Humano do Recife. Recuperado em 16 de março de 2016,

de https://www.recife.pe.gov.br/pr/secplanejamento/

pnud2006/downloads.html

Rolnik, R. (2016). “Moradia se tornou sinônimo de

mercadoria”, diz a ex-relatora da ONU Raquel Rolnik. São

Paulo: Jornalistas Livres. Entrevista concedida à Camilla

Hoshino e Thiago Hoshino, com fotos de Leandro Taques,

especial para os Jornalistas Livres. Recuperado em 15 de

outubro de 2016, de www. jornalistaslivres.org/2016/08/

moradia-se-tornou-sinonimo-de-mercadoria-diz-ex-relatorada-

onu-raquel-rolnik

Schiaffarino, J. (2015, 10 de junho). Discussão sobre déficit

habitacional no Recife. Recife: Diário de Pernambuco. Recuperado

em 22 de maio de 2016, de www.diariodepernambuco.com.br/

app/noticia/politica/2015/06/10/interna_politica,580587/

discussao-sobre-deficit-habitacional-no-recife.shtml

Silva, C. F. (2012). O Movimento de Luta nos Bairros, Vilas

e Favelas (MLB) e a política de autogestão: análise de uma

experiência no bairro da Iputinga, Recife-PE (Dissertação de

mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Souza, J. (2012). Os batalhadores brasileiros: nova classe

média ou nova classe trabalhadora? (2a ed). Belo Horizonte:

Editora UFMG.

Standing, G. (2015). O precariado: a nova classe perigosa

(Trad. Cristina Antunes, 1a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

União Nacional Por Moradia Popular – UNMP. (2016a).

Programas habitacionais. Brasília: UNMP. Recuperado

em 18 de abril de 2016, de www.unmp.org.br/index.

php?option=com_content&view=article&id=277:a-resolucaodo-

novo-credito-solidario-saiu&catid=75:minha-casaminha-

vida-entidades&Itemid=98

União Nacional Por Moradia Popular – UNMP. (2016b).

Programa Crédito Solidário. Brasília: UNMP. Recuperado

em 18 de abril de 2016, de http://www.unmp.org.br/

index.php?option=com_content&view=article&id=189:p

rograma-credito-solidario&catid=64:credito-s

Vainer, C. (2013). Quando a cidade vai às ruas. In E. Maricato

(Ed.), Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que

tomaram as ruas do Brasil (1a ed). São Paulo: Boitempo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.