Estratégias para incentivar o transporte não motorizado em megaeventos esportivos: o caso do estádio do Maracanã, Rio de Janeiro

Josefina Flórez, Licinio da Silva Portugal, Nathaly Escobar

Resumo


A fim de contribuir com a concepção de políticas de mobilidade urbana mais eficientes, foram definidas e avaliadas estratégias para promover o transporte não motorizado (principalmente a pé) nos jogos realizados no estádio do Maracanã, que possam ser replicáveis em outras instalações esportivas que fazem parte dos megaeventos no Rio de Janeiro. As estratégias foram formuladas com base em duas fontes de informações, na revisão bibliográfica e nos resultados de uma pesquisa de campo constituída por: mais de 1.000 entrevistas com os espectadores dos jogos no Maracanã durante a Copa das Confederações de Futebol 2013; grupos focais envolvendo frequentadores desse estádio; e entrevistas em profundidade. Posteriormente, especialistas a administração pública foram consultados e avaliaram tais estratégias, definindo como prioritárias aquelas referentes às melhorias na infraestrutura e nos equipamentos para pedestres e cadeirantes, bem como as campanhas de divulgação e de conscientização que incentivam o uso dos modos não motorizados e desestimulam o uso dos automóveis. As estratégias destacadas pelos especialistas se caracterizam por apresentar um menor nível de dificuldade e de custo para a sua implantação, representando uma boa opção para melhorar a qualidade urbana e promover a mobilidade sustentável.


Palavras-chave


Estratégias de transporte; transporte não motorizado; caminhada; bicicleta; megaeventos esportivos

Texto completo:

PDF

Referências


Adjei, E. (2010). Multi-modal urban transport: integrating

non-motorized and bus transport (Dissertação de mestrado).

International Institute for Geo-information Science and

Earth Observation, The Netherlands.

America Walks & Sam Schwartz Engineering. (2012). Steps

to a walkable community a guide for citizens, planners,

and engineers. Portland: America Walks & Sam Schwartz

Engineering.

Armazém de Dados. (2016). Evolução da extensão de

ciclovias, por áreas de planejamento: 1990-2011. Rio de

Janeiro: Armazém de Dados. Recuperado em 26 de fevereiro

de 2016, de http://www.armazemdedados.rio.rj.gov.br

Austroads. (2013). Guide information for pedestrian facilities.

Sydney: Austroads.

Banco Mundial. (2002). El papel del transporte no motorizado.

In Banco Mundial. Ciudades en movimiento: revisión de la estrategia de transporte urbano del Banco Mundial (pp.

-166). Washington: Banco Mundial.

Boone, H. N., Jr., & Boone, D. A. (2012). Analyzing likert

data. Journal of Extension, 50(2), 1-5.

Bovy, H. (2007). Transport and mobility management

challenges for the world largest mega-event: 1992 to 2012

Summer Olympic Games. Berkeley: University of California.

Recuperado em 26 de fevereiro de 2016, de http://www.

mobility-bovy.ch/resources/16.BERKELEY-07.pdf

Cruz, O., No., Moreira, R. M., & Sucena, L. F. M. (2002). Grupos

Focais e Pesquisa Social Qualitativa: o debate orientado

como técnica de investigação. In Anais do XIII Encontro da

Associação Brasileira de Estudos Populacionais. Ouro Preto.

Dill, J., & Voros, K. (2007). Factors affecting bicycling

demand: initial survey findings from the Portland, Oregon

Region. Transportation Research Record, 2031, 9-17. http://

dx.doi.org/10.3141/2031-02.

Dinnie, K. (2011). Introduction to the theory of city

branding. In K. Dinnie (Ed.), City branding: theory and

cases (pp. 3-7). Hampshire: Palgrave Macmillan. http://

dx.doi.org/10.1057/9780230294790_1.

Flórez, J., Muniz, J., & Portugal, L. (2014). Pedestrian quality

of service: lessons from Maracanã stadium. Procedia: Social

and Behavioral Sciences, 160, 130-139. http://dx.doi.

org/10.1016/j.sbspro.2014.12.124.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

(2010). Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em

de março de 2016, de http://censo2010.ibge.gov.br/en/

Land Transport New Zealand – LTNZ. (2009). Pedestrian

planning and design guide. Wellington: NZ Transport Agency.

Litman, T. (2008). Valuing transit service quality improvements.

Journal of Public Transportation, 11(2), 43-63. http://

dx.doi.org/10.5038/2375-0901.11.2.3.

Lundlin, M. (Ed.) (2011). High Efficient and Reliable

Arrangements for CrossModal Transport (HERMES):

collaborative project small of medium-scale focused research

project. Brussels: European Commission.

Machado, M. H., & Lima, J. P. (2015). Avaliação multicritério

da acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida:

um estudo na região central de Itajubá. urbe. Revista

Brasileira de Gestão Urbana, 7(3), 368-382. http://dx.doi.

org/10.1590/2175-3369.007.003.AO08.

Malhado, A. C., & Rothfuss, R. (2013). Transporting 2014

FIFA World Cup to sustainability: exploring residents’

and tourists’ attitudes and behaviours. Journal of Policy

Research in Tourism, Leisure and Events, 5(3), 252-269.

http://dx.doi.org/10.1080/19407963.2013.801159.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação

aplicada (6a ed., 735 p.). Porto Alegre: Bookman.

Monzón, A. (2005). Gestión del transporte metropolitano.

In E. Rojas, J. Cuadrado-Roura, & J. Fernández Güell (Eds.),

Gobernar las metrópolis (pp. 409-472). Washington: Banco

Interamericano de Desarrollo.

Observatório das Metrópoles – ODM. (2013). Evolução da

frota de automóveis e motos no Brasil 2001-2012. Rio de

Janeiro: ODM. Recuperado em 20 de março de 2016, de

http://www.observatoriodasmetropoles.net/download/

auto_motos2013.pdf

Parkes, S., Jopson, A., & Marsden, G. (2016). Understanding

travel behaviour change during mega-events: lessons

from the London 2012 Games. Transportation Research

Part A, Policy and Practice, 92, 104-119. http://dx.doi.

org/10.1016/j.tra.2016.07.006.

Portugal, L., Flórez, J., Escobar, N., Muniz, J., Pereira, L.

& Cardoso, B. (2014) Caracterização dos usuários e das

viagens ao Estádio do Maracanã na Copa das Confederações

de 2013: indicativos para megaeventos futuros. Revista

dos Transportes Públicos, 36, 57-81.

Rietveld, P. (2000). Non-motorized modes in transport

systems: a multimodal chain perspective for The

Netherlands. Transportation Research Part D, Transport

and Environment, 5(1), 31-36. http://dx.doi.org/10.1016/

S1361-9209(99)00022-X.

Rio de Janeiro. Prefeitura – PRJ. (2013). Plano Estratégico da

Prefeitura do Rio de Janeiro: pós 2016 O Rio mais integrado

e competitivo: 2013-2016. Rio de Janeiro: PRJ. Recuperado

em 20 de outubro de 2015, de http://200.141.78.79/

dlstatic/10112/2753734/DLFE241955.pdf/Planejamen

toestrategico2.0.1.3.2.0.1.6.pdf

Rio de Janeiro. Secretaria de Estado de Transportes –

SETRANS. (2015). Plano diretor de transporte da região

metropolitana do Rio de Janeiro 2015. Rio de Janeiro:

SETRANS.

Rio de Janeiro. Prefeitura – PRJ. (2016). Ciclovias, ciclofaixas

e faixas compartilhadas: obras e projetos 2015/16. Rio de Janeiro: PRJ. Recuperado em em 20 de março de 2016, de

http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/91265/4133646/

relacaodeprojetoscicloviasPAGINASMAC16115.pdf

Rodrigues, A., Flórez, J., Frenkel, D., & Portugal, L. (2014).

Indicadores do desenho urbano e sua relação com a propensão

a caminhada. Journal of Transport Literature, 8(3), 62-88.

http://dx.doi.org/10.1590/S2238-10312014000300004.

Sassen, S. (2007). El reposicionamiento de las ciudades y

regiones urbanas en una economía global: ampliando las

opciones de política y gobernanza. Revista Latinoamericana

de Estudios Urbano Regionales, 33(100), 9-34. http://dx.doi.

org/10.4067/S0250-71612007000300002.

Scheiner, J. (2010). Interrelations between travel mode

choice and trip distance: trends in Germany 1976-2002.

Journal of Transport Geography, 18(1), 75-84. http://dx.doi.

org/10.1016/j.jtrangeo.2009.01.001.

Schneider, R. J. (2011). Understanding sustainable

transportation choices: shifting routine automobile travel

to walking and bicycling (Tese de doutorado). University

of California, Berkeley.

Stott, C., Adang, O., Livingstone, A., & Schreiber, M. (2006).

Policing, crowd dynamics and public order at Euro2004.

London: U.K. Home Office. Unpublished report.

Transportation Research Board – TRB. (2005). Integration

of bicycles and transit: a synthesis of transit practice.

Washington: TRB.

Valenzuela-Montes, L. M., & Talavera-García, R. (2015).

Entornos de movilidad peatonal: una revisión de enfoques,

factores y condicionantes. Revista Latinoamericana de

Estudios Urbano Regionales, 41(123), 5-27. http://dx.doi.

org/10.4067/S0250-71612015000300001.

Varela, E. (2015). Nuevos roles de los gobiernos locales en

la implementación de políticas públicas. Gobernabilidad

territorial y competitividad global. Revista Latinoamericana

de Estudios Urbano Regionales, 41(123), 213-237. http://

dx.doi.org/10.4067/S0250-71612015000300009.

Waiselfisz, J. (2013). Mapa da violência 2013: acidentes de

trânsito e motocicletas. Rio de Janeiro: Centro de Brasileiro

de Estudos Latino-Americanos.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.