Demolições, debates e tentativas de preservação: aproximações a partir dos casos de Salvador e Recife (1910-1930)

Gabriela Lira Assunção, George Alexandre Ferreira Dantas

Resumo


Os chamados “eventos de demolição” constituem uma das expressões mais dramáticas e tensionadas das reformas que marcaram os processos de modernização urbana porque passaram por várias cidades brasileiras, na virada para o século XX. Mais do que os projetos de futuro e as visões de progresso per se, as forças demolidoras permitem indagar e analisar representações em disputa e leituras da cidade, da paisagem e do passado. Permitem também evidenciar e discutir interesses políticos, econômicos e culturais, além de estranhamentos, espantos, lamentos, vozes dissonantes, que expressam certo sentido de tradição e mesmo, pode-se dizer, de preservação. Assim, este artigo aborda casos de demolição em Recife e Salvador dos anos 1910, considerando, por um lado, o contexto mais amplo das reformas urbanas e, por outro, os esforços de criação dos serviços estaduais de proteção aos monumentos nos anos 1920. Para tanto, mobilizamos diversas fontes primárias (matérias de diversos periódicos, fotografias, relatórios oficiais, entre outros), para identificar e discutir falas de agentes sociais, mudanças de palavras, imagens, significados e argumentos inseridos num debate aberto e indefinido sobre a herança da paisagem e estrutura urbana do passado colonial.


Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, D. M., Jr (2011). A invenção do Nordeste e

outras artes (5a ed.). São Paulo: Cortez.

Andrade, M. (1973). O turista aprendiz. São Paulo: Duas

Cidades.

Arantes, O. B. F., & Arantes, P. E. (1997). Sentido da formação:

três estudos sobre Antônio Cândido, Gilda de Mello e Souza

e Lúcio Costa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Arrais, R. (2006). A capital da saudade: destruição e

reconstrução do Recife em Freyre, Bandeira, Cardozo e

Austragésilo. Recife: Bagaço.

Assunção, G. L. (2016). Demolições, debates e tentativas

de preservação: uma discussão sobre a modernização de

Salvador em 1900-1930. In Anais do V Simpósio de pesquisa

do PPGAU-UFRN (pp. 1-6). Natal: Universidade Federal do

Rio Grande do Norte.

Barros, F. B. (1931). Extrato do Relatório de 1930. In Anais

do Arquivo Público e Inspetoria de Monumentos (Vol. 18-A).

Bahia: Imprensa Oficial do Estado.

Benjamin, W. (2013). O anjo da história (Trad. e Org. João

Barrento). Belo Horizonte: Autêntica.

Brito, F. S. (1917). Saneamento do Recife: descrição e

relatórios. Recife: Tipografia da Imprensa Oficial.

Caigny, M. (1912, setembro). História do projeto da

demolição do Mosteiro de S. Bento da Bahia. A Paladina

do Lar, edição especial, 1-32.

Cantarelli, R. (2010). Fatos e ideias que levaram à criação

da Inspetoria Estadual dos Monumentos Nacionais em

Pernambuco no ano de 1928. Ciência & Trópico, 34(1),

-134.

Cantarelli, R. (2012). Contra a conspiração da ignorância

com a maldade: A Inspetoria Estadual dos Monumentos

Nacionais e o Museu Histórico e de Arte Antiga do Estado

de Pernambuco (Dissertação de mestrado). Programa de

Pós-graduação em Museologia e Patrimônio, Universidade

Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Ceravolo, S. (2012). A Inspetoria Estadual de Monumentos

Nacionais do estado da Bahia: do discurso à ação (1927-

. In A. Magalhães & R. Bezerra (Orgs.), 90 anos do

Museu Histórico Nacional em debate (pp. 122-142). Rio de

Janeiro: Museu Histórico Nacional.

Chartier, R. (1991). O mundo como representação. Estudos

Avançados, 11(5), 173-191. http://dx.doi.org/10.1590/

S0103-40141991000100010.

Choay, F. (2006) A alegoria do patrimônio. São Paulo:

Estação Liberdade, Ed. UNESP.

Companhia Estadual de Desenvolvimento Urbano – CEDU.

(1978). A grande Salvador: posse e uso da terra. Salvador:

CEDU.

Costa, L. (1924, 19 de março). A alma dos nossos lares. A

Noite. Rio de Janeiro (No. 10, pp. 1).

Dantas, G. A. F. (2009). A formação das representações

sobre a cidade colonial no Brasil (Tese de doutorado).

Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São

Paulo, São Carlos.

Dantas, G. A. F., Sousa, R. G., & Moreira, B. G. L. (2015).

Modernidades instantâneas: fotografia, cultura e transformações

urbanas. In Anais do IV Seminário Ibero-americano (pp.

-18). Belo Horizonte: Escola de Arquitetura da UFMG.

Dócio, V. (2014). Sob o signo da pedra e cal: trajetória

da política de preservação do patrimônio histórico e

arquitetônico no Estado da Bahia (1927-67) (Dissertação

de mestrado). Programa de Pós-graduação em História

Social, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Fernandes, A. G. (1930). Relatório da Inspetoria Estadual

dos Monumentos Nacionais: apresentado a 19 de fevereiro

de 1930 ao Sr. Secretario da Justiça e Negócios Interiores.

Recife: Imprensa Oficial.

Freyre, G. (1925, 11 de janeiro). Artigo 91. Diário de

Pernambuco, Recife, 9, 3.

Hobsbawm, E. (2002). Introdução: a invenção das tradições.

In E. J. Hobsbawm & T. O. Ranger. A invenção das tradições

(3a ed., pp. 9-22). São Paulo: Paz e Terra.

Inspetoria de Monumentos. (1929). Regulamento da

Inspetoria Estadual dos Monumentos Nacionais. Ato n° 240

do Exmo Sr. Dr. Governador do Estado de 8 de fevereiro de

Recife: Imprensa Oficial.

Lira, J. T. C. (1996). Mocambo e cidade: regionalismo na

arquitetura e ordenação do espaço habitado (Tese de

doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,

Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lira, J. T. C. (2005). Naufrágio e galanteio: viagem, cultura

e cidades em Mário de Andrade e Gilberto Freyre. Revista

Brasileira de Ciências Sociais, 20(57), 143-209. http://

dx.doi.org/10.1590/S0102-69092005000100009.

Lira, J. T. C., & Dantas, G. A. F. (2001). Contrastes e encontros:

história, cultura e cidade no Nordeste (Natal e Recife,

-1929). In Anais do IX Encontro Nacional da Anpur

(Vol. 2, pp. 636-650). Rio de Janeiro: ANPUR.

Lubambo, C. W. (1991). Bairro do Recife entre o Corpo

Santo e o Marco Zero. Recife: Fundação de Cultura da

Cidade do Recife.

Malhano, C. E. (2002). Da materialização à legitimação

do passado: a monumentalidade como metáfora do Estado

-1945. Rio de Janeiro: Lucerna, FAPERJ.

Mazzoni, V. (2010). Memória literária feminina da Bahia:

inventário de revista A Paladina do Lar. Salvador: Quarteto

Editora.

Pechman, R. (1990). Um olhar sobre a cidade: estudo da

imagem e do imaginário do Rio na formação da modernidade.

In Primeiro Seminário de História Urbana: Cidade e História

(pp. 33-43). Salvador: ANPUR.

Peres, F. R. (2009). Memórias da Sé (3a ed.). Salvador:

Editora Corrupio, Petrobras.

Pinheiro, E. P. (2011a). Europa, França e Bahia: difusão e

adaptação de modelos urbanos (Paris, Rio e Salvador) (2a ed.).

Salvador: EDUFBA. http://dx.doi.org/10.7476/9788523211912.

Pinheiro, M. L. B. (2011b). Neocolonial, modernismo e

preservação do patrimônio no debate cultural dos anos

no Brasil. São Paulo: FAPESP.

Planta da Cidade do Recife - Brasil. (1914). Recife:

Estabelecimento Graphico Simonek & Cia.

Sampaio, T. (1912, 15 de outubro). Igreja da Ajuda –

recordações da sua história antiga. A Tarde, Salvador, 1, 1.

Sato, A. (2005). Demolición y clausura. Revista ARQ, 59,

-61.

Schwarcz, L. (1993). O espetáculo das raças: cientistas,

instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo:

Companhia das Letras.

Sousa, R. G. (2016). Escombros e vestígios: os debates sobre

os arrasamentos nas reformas urbanas das cidades brasileiras

(Rio de Janeiro, São Paulo e Recife no início do século XX)

(Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação

em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio

Grande do Norte, Natal.

Trajano, F. S., Fo. (2008). Cartografias difusas, geografias

superpostas: cidade e cultura na viagem de Mário de

Andrade à Parayba. In Anais do IV Simpósio Nacional de

História Cultural (18 p.). Goiânia: ANPUH.

Universidade Federal da Bahia – UFBA. (1987). Protesto

contra a demolição da Sé, 1928. Salvador: Centro de Estudos

Baianos, Universidade Federal da Bahia.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.