Influência de diferentes tipos de bocais e diâmetros de traqueias na manovacuometria

Fabiane Inoue Onaga, Mauricio Jamami, Gualberto Ruas, Valeria Amorim Pires Di Lorenzo, Luciana Kawakami Jamami

Abstract


Objetivo: Este estudo teve como objetivo comparar a força muscular respiratória (FMR) obtida por meio de manovacuômetros analógicos, utilizando diferentes tipos de bocais e traqueias. Metodologia: Foram avaliados 50 voluntários sedentários ou insuficientemente ativos saudáveis (25 homens e 25 mulheres), com média de idade de 25 ± 5 anos, média de altura de 167 ± 8 cm e média de peso de 65 ± 12 kg, pertencentes à comunidade de São Carlos, SP, e região. Para a avaliação da FMR foram realizadas as medidas de pressão inspiratória máxima (PIMÁX) e pressão expiratória máxima (PEMÁX) de acordo com o método preconizado por Black e Hyatt (1969). Os voluntários foram submetidos à anamnese e exame físico, e,posteriormente, as pressões respiratórias máximas foram medidas com os indivíduos em posição ortostática, utilizando-se dois manovacuômetros analógicos com limite operacional de ± 300 cmH2O, com uso de clipe nasal, um bocal circular e um retangular, com traqueias de mesmo comprimento e diâmetros internos diferentes, sendo estes de 1 cm e 1,5 cm. Resultados: Observou-se que não houve diferenças significativas (Teste de Wilcoxon: p < 0,05) entre os diâmetros das traqueias, e que os valores obtidosda PEMÁX com o bocal retangular foram significativamente maiores em ambos os sexos. Conclusão: Os resultados deste estudo mostram que não houve interferência dos diâmetros das traqueias nos valores obtidos de PEMÁX e PIMÁX, no entanto, os tipos de bocais utilizados no manovacuômetro analógico interferem nos valores obtidos de PEMÁX. O formato mais anatômico do bocal retangular colaborou para aobtenção de maiores valores de PEMÁX.



DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-51502010000200005

Refbacks

  • There are currently no refbacks.