Termorregulação de frangos de corte alimentados com dietas contendo níveis de grãos secos de destilaria

Jean Kaique Valentim, Tatiana Marques Bittencourt, Heder José D'Ávilla Lima, Debora Duarte Moraleco, Jonatan Mikhail Del Solar Velarde, Maira Santos da Cruz, Diego Pierrotti Procópio, Yury Gonçalves Lopes, Rodrigo Garófallo Garcia

Resumo


O objetivo deste estudo foi determinar os efeitos da inclusão de grãos secos de destilaria (DDG) de milho sobre os parâmetros de termorregulação de frangos de corte. Utilizaram-se 700 frangos de corte da linhagem Coob 500, machos, com 1 dia de idade, distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado com cinco tratamentos, sete repetições e dez aves por unidade experimental. Os níveis de DDG estudados foram 4, 8, 12 e 16% de inclusão nas dietas, além do tratamento controle sem inclusão. No final de cada fase de produção (7, 28 e 42 dias de idade) foram coletados os dados relacionados às variáveis termorregulatórias das aves. As médias obtidas a partir dos parâmetros avaliados foram submetidas à análise de variância a 5% de probabilidade, utilizando-se o programa SAS. O índice de temperatura e umidade (ITU) se apresentou na faixa de 68,49 a 71,65 durante o tempo de produção. Não houve efeito (p > 0,05) para as variáveis, temperatura cloacal, temperatura média corporal, temperatura média da pele e temperatura média da cama de frangos de corte aos 7, 35 e 42 dias de idade, alimentados com dietas com níveis de DDG de milho na dieta. O uso de DDG em dietas de frangos de corte não influenciou as variáveis de termorregulação das aves.

 


Palavras-chave


Avicultura de corte. Coprodutos. Temperaturas corporais. Etanol.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7213/2596-2868.2020.18002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora PUCPRESS