Epistemologia do território: a prostituição masculina em Goiânia

Valdir Inácio do Prado Júnior, Fabrício Borges do Amaral, Ycarim Melgaço Barbosa

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar a interação entre os diferentes territórios de prostituição masculina em Goiânia, Estado de Goiás, e os conceitos basilares referentes ao assunto. Para tanto, foram adotadas como metodologia as pesquisas bibliográfica e qualitativa. Por meio do levantamento bibliográfico, foi feito um mapeamento do território e de suas concepções no âmbito da Geografia e de outras áreas do conhecimento. Além disso, procedeu-se a uma entrevista semiestruturada com quatro participantes, na qual foram relatadas observações a respeito da prostituição masculina. Nota-se que os territórios fazem parte de um contexto mais amplo, não se restringindo ao espaço geográfico. Nesse contexto, encontram-se a imagem, o texto e o corpo. Goiânia contempla territórios fixos de prostituição, compreendendo um quadrilátero no Setor Central da cidade, onde são encontrados os chamados acompanhantes e seus territórios simbólicos e móveis. Assim sendo, como resultado da pesquisa, foram identificadas a movimentação e a formação de pontos móveis e simbólicos na região citada. Com relação ao ponto fixo, este ocorre em horários não comerciais.


Palavras-chave


Goiânia, prostituição masculina, territorialidade, território.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A. C. (1994). Terriorialidades, desterritorialidades,

novas territorialidades: os limites do poder nacional e do

poder local. In M. Santos, M. A. A. Souza, & M. L. Silveira

(Eds.), Território: globalização e fragmentação. São Paulo:

Hucitec.

Andrade, L. T., & Teixeira, A. E. (2004). A territorialidade

da prostituição em Belo Horizonte. Cadernos Metrópole,

, 137-157.

Barreto, R. C. V. (2008). Território e preconceito: um

olhar sobre o erritório e preconceito: um olhar sobre o

território de convivência homossexual da território de

convivência homossexual da Farme de Amoedo. Caderno

Espaço Feminino, 20(2), 251-266.

Barthe-Deloizy, F. (2011). Le corps peut-il être un objet

du savoir géographique? Ou comment interroger le corps

pour mieux comprendre l’espace des sociétés? Géographie

et Cultures, 80(80), 229-247. http://dx.doi.org/10.4000/

gc.544.

Boivin, N. (2012). Territoires hédonistes du sexe: pour une

géographie des subjectivations. Géographie et Cultures,

(83), 87-100. http://dx.doi.org/10.4000/gc.2068.

Brasil. (1943, 9 de agosto). Decreto-lei nº 5.452, de 1 de

maio de 1943. Aprova a consolidação das leis do trabalho.

Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2002, 10 de janeiro). Lei nº 10.406, de 10 de janeiro

de 2002. Institui o Código Civil. Brasília: Diário Oficial da

União.

Braz, S. (2011). Prostituição feminina: história e territorialidades

no espaço urbano de Teresina. Recuperado em 20 de

novembro de 2017, de https://geografiaespaçotempoecultura.

wordpress.com

Burgos, M. B. (2005). Cidade, territórios e cidadania. Dados:

Revista de Ciências Sociais, 48(1), 189-222. http://dx.doi.

org/10.1590/S0011-52582005000100007.

Burrowes, P. (2005). Viagem ao território da publicidade.

Revista Comunicação Mídia e Consumo, 2(5), 205-219.

Cardoso, C. (2014, 28 de outubro). Não tá fácil para

ninguém: internet afetando a mais antiga das profissões.

Meio Bit. Recuperado em 9 de abril de 2016, de http://

meiobit.com/301707/tinderegrindrameacaaprostituicao/

Castro, A. L. (2008). O corpo como território de construção

de identidades na cultura contemporânea. Brasília: ABANT.

Recuperado em 9 de agosto de 2016, de http://www.abant.

org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/grupos_de_

trabalho/trabalhos/GT%2030/Ana%20L%C3%BAcia.pdf

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte:

Autêntica.

Corrêa, R. L. (1994). Territorialidade e corporação: um

exemplo. In M. Santos, M. A. A. Souza, & M. L. Silveira (Eds.),

Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec.

Corrêa, R. L. (1995). Espaço, um conceito chave da Geografia.

In I. E. Castro, P. C. C. Gomes, & R. L. Corrêa (Eds.), Geografia:

conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Deleuze, G.; Guattari, F. (1997). Mil platôs, capitalismo e

esquizofrenia. São Paulo: Editora 34.

Diário da Manhã – DM. (2015). Projeto Picnik chega a

Goiânia. Recuperado em 21 de setembro de 2016, de

http://www.dm.com.br/cultura/2015/07/projeto-picnikchega-

a-goiania.html

Dicionário Michaelis. (2009). Definição rua. Recuperado

em 30 de março de 2016, de http://michaelis.uol.com.br/

moderno/portugues/definicao/rua%20_1039385.html

Ferreira, N. S. (2002). As pesquisas denominadas estado

da arte. Education et Sociétés, 23(79), 257-272. http://

dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013.

Figueiredo, G. O., Brito, D. T. S., & Botazzo, C. (2003).

Ideologia, fetiche e utopia na saúde: uma análise a partir

da saúde bucal. Ciência & Saúde Coletiva, 8(3), 753-763.

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300009.

Flores, M. (2006). A identidade cultural do território como

base de estratégias de desenvolvimento: uma visão do estado

da arte. Contribuição para o Projeto Desenvolvimento

Territorial Rural a partir de Serviços e Produtos com

Identidade – RIMISP. Recuperado em 14 de setembro

de 2016, de http://camara.fecam.org.br/uploads/28/

arquivos/4069_FLORES_M_Identidade_Territorial_como_

Base_as_Estrategias_Desenvolvimento.pdf

Fortuna, C. (2012). (Micro) territorialidades: metáfora

dissidente do social. [email protected] Plural, 6(2), 199-214. http://

dx.doi.org/10.5212/TerraPlural.v.6i2.0001.

Foucault, M. (1985). Microfísica do poder (5a ed.). Rio de

Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população:

curso dado no College de France (1977-1978). São Paulo:

Martins Fontes.

Gehlen, I., & Riella, A. (2004). Dinâmicas territoriais e

desenvolvimento sustentável. Sociologias, 6(11), 20-26.

http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222004000100003.

Geiger, P. P. (1994). Des-territorialização e espacialização. In

M. Santos, M. A. A. Souza, & M. L. Silveira (Eds.), Território:

globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec.

Goffman, E. (2010). Comportamentos em lugares públicos.

Petrópolis: Vozes.

Goiás. Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento –

SEGPLAN. (2013). Plataforma logística multimodal de Goiás.

Audiência pública. Recuperado em 20 de novembro de 2017,

de http://www.sgc.goias.gov.br/upload/arquivos/2013-11/

plataforma-logistica-multimodal-degoias_audienciapublica_

vf.pdf

Gondim, G. M. M., & Monken, M. (2008). Territorialização

em saúde. In I. B. Pereira, & J. C. F. Lima (Eds.), Dicionário

da educação profissional em saúde (2a ed.). Rio de Janeiro:

EPSJV.

Guattari, F. (1990). As três ecologias. Campinas: Papitus.

Haesbaert, R. (2004). O mito da desterritorialização: do

fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro:

Bertrand Brasil.

Haesbaert, R. (2014). O mito da desterritorialização: do

“fim dos territórios” à multiterritorialidade (8a ed.). Rio

de Janeiro: Bertrand Brasil.

Harvey, D. (2001). Spaces of capital: towards a critical

geography. New York: Routledge.

Henrique, W. (2009). O direito à natureza na cidade. Salvador:

EDUFBA. http://dx.doi.org/10.7476/9788523209117.

Ianni, O. (1988). A questão nacional na América Latina.

Estudos Avançados, 2(1), 5-40. http://dx.doi.org/10.1590/

S0103-40141988000100003.

Jornal O Popular. (2016). Jornal Classificados (Vol. 78, No.

, pp. 7). Goiânia.

Lênin, V. I. (1983). O estado e a revolução: o que ensina

o marxismo sobre o estado e o papel do proletariado na

Revolução. São Paulo: Hucitec.

Marx, K., & Engels, F. (1980). A ideologia alemã (4a ed.).

Portugal: Editorial Presença.

Medeiros, M. (1999). Olhando a lua pelo mundo da rua:

representações sociais da experiência de vida de meninos em

situação de rua (Tese de doutorado). Universidade de São

Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado em 5 de abril de 2016,

de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/

tde-25022003-082739/pt-br.php

Mondardo, M. L. (2009). O Corpo enquanto “Primeiro”

Território de Dominação: o biopoder e a sociedade de

controle. Recuperado em 9 de agosto de 2016, de http://

www.bocc.ubi.pt/pag/mondardo-marcos-o-corpo.pdf

Neves, G. R. (1994). Territorialidade, desterritorialidade,

novas territorialidades (algumas notas). In M. Santos, M.

A. A. Souza, & M. L. Silveira (Eds.), Território: globalização

e fragmentação. São Paulo: Hucitec.

Oliveira, J. C. (1998). A casa e a rua: frutos do trabalho

social ou local de dominação? Boletim Goiano de Geografia,

(1), 47-62. Recuperado em 16 de setembro de 2016,

de https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/4288/3762

Ornat, M. J. (2011). Território descontínuo e multiterritorialidade

na prostituição travesti no sul do Brasil (Tese de doutorado).

Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Recuperado em

de agosto de 2016, de http://www.gete.net.br/joomla/

attachments/article/77/Projeto%20de%20TESE.pdf

Pompei, C. S. et al. (2014). Estudio multidisciplinario

del ecosistema manglar en la comunidad tradicional de

Curral Velho. Barcelona: Institut de Ciència I Tecnologia

Ambientals, UAB.

Raffestin, C. (1987). Repères pour une théorie de la

territorialité humaine. Cahier/Groupe Réseaux, 3(7), 263-

Recuperado em 16 de setembro de 2017, de http://

www.persee.fr/doc/flux_1162-9630_1987_num_3_7_1053

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder (Trad.

Maria Cecília França). São Paulo: Ática.

Reis, J. (2015). Território e políticas do território: a

interpretação e a ação. Finisterra, 1(100), 107-122.

Recuperado em 20 de novembro de 2017, de http://www.

scielo.mec.pt/pdf/fin/n100/n100a10.pdf

Ribeiro, M. A. C., & Mattos, R. B. (1996). Territórios da

prostituição nos espaços públicos da área central do Rio

de Janeiro. Revista Território, 1(1), 60-76. Recuperado em

de setembro de 2016, de http://www.revistaterritorio.

com.br/pdf/01_6_ribeiro_%20mattos.pdf

Sack, R. (1986). Human territoriality. Cambridge: Cambridge

University Press.

Santos, M., Souza, M. A., & Silveira, M. L. (1994). Território:

globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec.

Saquet, M. A. (2007). Abordagens e concepções de território

(Coleção Geografia em Movimento). São Paulo: Expressão

Popular.

Silva, A. C. (1994). O território da consciência e a consciência

do território. In M. Santos, M. A. A. Souza, & M. L. Silveira

(Eds.), Território: globalização e fragmentação. São Paulo:

Hucitec.

Silva, J. M. (2009). Ausências e silêncios do discurso

geográfico brasileiro: uma crítica feminista à geografia

eurocêntrica. In J. M. Silva (Ed.), Geografias subversivas:

discursos sobre espaço, gênero e sexualidade. Ponta Grossa:

Todapalavra.

Souza, M. L. (1995). O território: sobre espaço e poder,

autonomia e desenvolvimento. In I. E. Castro, P. C. C.

Gomes, & R. L. Corrêa. Geografias: conceitos e temas. Rio

de Janeiro: Bertran Brasil.

Souza, T. P., & Carvalho, S. R. (2014). Apoio territorial e

equipe multirreferencial: cartografias do encontro entre

o apoio institucional e a redução de danos nas ruas e

redes de Campinas, SP, Brasil. Interface: Comunicação e

Saúde Educacional, 18(Supl 1), 945-956. http://dx.doi.

org/10.1590/1807-57622013.0518.

Tavares, M. (2014, 26 de janeiro). O Mapa da prostituição

na Grande Goiânia. Goiânia: Diário da Manhã.

Vilela, B. P. (2009). Interpretação das paisagens culturais

na Bacia Hidrográfica do rio caldas: uma proposta de

princípios para ações em educação ambiental sustentada

(Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação

em Geografia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.